domingo, 21 de abril de 2013

Telha Ecológica de Concreto

video video

                                                         ASSISTA O VIDEO

 

DADOS TÉCNICOS
DIMENSSÕES: 50X25 cm
ÁREA EFETIVA:40X20 cm
TELHAS /m2:12.5
PESO DAS TELHAS: 3.5 Kg
PESO POR m2: 43,75 Kg/m2
TELHAS POR METRO LINEAR-2.5 TELHAS
CONDUTIVIDADE TÉRMICA : 0.5 watt/mºC
RESISTÊNCIA A FLEXÃO: MAIS DE 60 Kg
RESISTÊNCIA A IMPACTO: ESFERA DE 250g A UMA ALTURA DE 300 mm
PRODUÇÃO HOMEM/ DIA 220 TELHAS x 1 HOMEM x 8 HORAS/DIA
CONSUMO APROXIMADO DE CIMENTO P/TELHA DE 0,600 a 0.800 Kg
CONSUMO APROXIMADO DE AREIA P/TELHA: 1.6 Kg
RENDIMENTO POR SACO DE CIMENTO (50 Kg): 80 TELHAS MÍNIMO, 85 TELHAS MÁXIMO
INCLINAÇÃO MÍNIMO 35%
  

 

 

 

MÁQUNAS PORTÁTEIS PARA TELHA ECOLÓGICA

                                                               Objetivos                              

Usar metodologias alternativa na construção civil,melhorando segurança,arquitetura,rapidez,reduzindo consideravelmente custos,criando alternativas viáveis para aquisição de casas dignas. Resgatar nas pessoas,o verdadeiro valor da cidadania.
Capacitar mão de obra em tecnologia de solo cimento,criando novas oportunidade no mercado de trabalho,sintonizando-se com as exigências em um mundo de economia cada vez mais globalizada.
Conscientização das comunidades no aproveitamento racional dos recursos naturais,despertando maior responsabilidade ecológica,introduzindo meios alternativos de sobrevivência rumo ao desenvolvimento sustentável.

José Roberto Bezerra Silva

Contatos:
zrobertotijoloecologico@gmail.com

TIM--83-9970-O698
VIVO83-8123-8077











A ecotecnologia é uma ciência aplicada, que integra os campos de estudo da ecologia e tecnologia. Destina-se a satisfazer as necessidades humanas, minimizando o impacto ambiental através do conhecimento das estruturas e processos dos ecossistemas e da sociedade. Consequentemente são consideradas ecotecnologias aquelas técnicas que minimizam os danos aos ecossistemas, promovendo o desenvolvimento integral e sustentável, com uma orientação de minimizar ou prevenir impactos.

As ecotecnologias implicam em ferramentas tecnológicas que oferecem vantagens ambientais sobre suas contrapartes tradicionais. Buscam reproduzir processos naturais que possam ser utilizados para a minimização dos impactos causados pelas atividades humanas. As Ecotecnologias também se caracterizam pela abordagem holística dada à solução dos problemas que ameaçam a sustentabilidade de um ecossistema e em termos gerais procura-se que sejam técnicas simples e baratas de forma que sua apicação se torne simples e duradoura.
Gravatá-PE      
     Zé Roberto    
   
TIM-PE 81-9520-0420



CLARO-PE 81-8911-8326
   
          TIM-PB-83-9970-0698
        VIVO-PB-83-8123-8077 








robertoumbu@gmail.com

robertoumbu@hotmail.com
SAIBA MAIS:

sábado, 2 de junho de 2012

Gravtá-PE fabrica o melhor TIJOLO ECOLÓGICO do Brasil



Maiores INFORMAÇÕES
Gravatá-PE      
     Zé Roberto    
   
TIM-PE 81-9520-0420



CLARO-PE 81-8911-8326
   
          TIM-PB-83-9970-0698
        VIVO-PB-83-8123-8077 









robertoumbu@gmail.com

robertoumbu@hotmail.com









robertoumbu@gmail.com
robertoumbu@hotmail.com



Pólo Automotivo


Com a instalação de importantes empreendimentos em Goiana, estima-se que mais de 23 mil empregos sejam gerados até 2016 no município e região que abrange a Zona da Mata e a Área Metropolitana Norte de Pernambuco, bem como cidades do vizinho estado da Paraíba, incluindo a capital paraibana João Pessoa. Só em Goiana o pólo farmacoquímico e a nova fábrica da montadora Fiat vão gerar quase seis mil empregos diretos.

A montadora iniciou a terraplenagem e já está contratando máquinas e equipamentos para a nova fábrica com previsão de que a linha de produção entre em operação até março de 2014. Além dos 3,5 mil empregos diretos, a fábrica da Fiat ainda deve gerar mais de 20 mil empregos indiretos com a instalação de empresas sistemistas. A previsão inicial era de 30 empresas fornecedoras, mas informações dão conta que esse número pode ultrapassar os 50.


Os investimentos da montadora italiana totalizarão 4 bilhões de reais. Em uma área de 14 mil hectares, a 80 metros acima do nível do mar, que oferece condições topográficas favoráveis ao empreendimento, serão construídos a fábrica, que terá capacidade para a produção de 200 a 250 mil veículos por ano, parque de fornecedores, centro de capacitação e treinamento, centro de pesquisa e desenvolvimento, campo de provas e pista de testes.


Um desafio apontado envolve capacitação e qualificação de mão de obra. Para isso foi firmado convênio negociando 22 mil vagas do Sistema S para atender às demandas por mão de obra para o pólo automobilístico de Pernambuco que ora se instala em Goiana.


Integração e sinergia - A fábrica da Fiat foi concebida como o centro dinâmico do pólo automotivo pernambucano, com base em moderna arquitetura de integração com o parque de fornecedores, centro de capacitação de mão de obra, centro de desenvolvimento tecnológico, pista de teste e campo de provas. Trata-se de uma fábrica sustentável, de baixo impacto ambiental, que reproduz as melhores práticas consagradas no Sistema de Gestão Ambiental Fiat. As ruas internas serão pavimentadas com asfalto produzido a partir de pneus reciclados. A água utilizada no processo industrial será tratada e reutilizada.

A fábrica tem layout moderno, otimizado, com fluxos de materiais e de produtos concebidos dentro dos mais elevados parâmetros da World Class Manufacturing (WCM).

A fábrica será um pólo irradiador de capacitação de mão de obra não apenas para produzir automóveis, mas também para projetá-los e desenvolvê-los. Por isto, foi estabelecido acordo de qualificação de engenheiros, envolvendo as universidades federal e estadual de Pernambuco e o Instituto Politécnico de Turim, para a formação de um grupo inicial de 50 jovens engenheiros naquela tradicional instituição italiana.

Por seu poder irradiador sobre a economia, o mercado de trabalho e sobre a educação e qualificação, o pólo automotivo projetará seus efeitos por todo o Estado e toda a sociedade, através da geração de riquezas, de renda, de capacitação, de emprego, de melhoria da infraestrutura, da oferta de educação, da expansão da prestação de serviços, entre outros.

Assimp-AD Goiana / Fiat


Sistemistas

Segundo cálculos da Fiat, cerca de 20 empresas fornecedoras estarão presentes na sua planta industrial já que um primeiro nível de fornecedores tem que abastecer diretamente a montadora. São as chamadas empresas sistemistas. Uma que já anunciou que irá integrar o pólo automotivo é a Sada, transportadora dos veículos da Fiat no Brasil.

Sada – O Grupo Sada, responsável pela distribuição dos carros Fiat no país, é outro que vai abrir uma unidade em Goiana, próximo de onde será instalada a Fiat. O investimento previsto é de R$ 20 milhões a R$ 30 milhões e cerca de mil empregos devem ser gerados pela trasnportadora que deverá ocupar um terreno de 60 mil a 70 mil metros quadrados.

O investimento previsto é de R$ 20 milhões a R$ 30 milhões. Cerca de mil vagas devem ser geradas, número que pode chegar a 2 mil vagas caso o grupo abra uma unidade de componentes automotivos no Estado.
A Sada planeja abrir uma unidade de componentes automotivos, como tambor de freio e suporte para motor, caso a Fiat confirme a produção de motor e câmbio no Estado. Nesse caso, o investimento para essa outra unidade seria de R$ 70 milhões e seria preciso uma área com 20 mil metros quadrados.

O grupo italiano está no Brasil há 35 anos e tem sua sede em Betim – MG, com um galpão de 10 hectares. A empresa lucra por ano cerca de R$ 3 bilhões. Além da Fiat, a empresa transporta a frota da Volkswagen e da General Motors (GM).

Um escritório da empresa será instalado no Edifício João Carlos de Mendonça, na Rua Luiz Gomes nº 102, 1º andar, no centro de Goiana, ao lado das instalações da AD Goiana.


Assimp-AD Goiana








NOTÍCIAS




Missão empresarial portuguesa visita Goiana




Uma comitiva formada por aproximadamente 30 empresários portugueses esteve em Goiana, na tarde da última segunda-feira (18/06), com o objetivo de obter informações sobre o polo econômico que surge no município e observar in loco alguns dos grandes empreendimentos que estão sendo instalados na cidade.

Visitas a locais onde estão em curso projetos empresariais, incluindo a Fiat, sessões de esclarecimento sobre as condições para investir no Brasil e workshops com empresários locais foram algumas das iniciativas programadas para os empresários lusitanos que estiveram em Goiana, na sequência de um acordo de cooperação assinado com a Comunidade Intermunicipal do Pinhal Interior Sul (CIMPIS). A visita foi antecedida do envio de formulários com a caracterização das empresas, de forma a facilitar a abertura de portas e o estabelecimento de contatos com o tecido empresarial local.

A missão empresarial foi recebida pelo prefeito de Goiana, Henrique Fenelon, o presidente da AD Goiana, Rodrigo Augusto, e por representantes do Consórcio Paradigma, que está construindo em Goiana o bairro planejado Northville. O primeiro local visitado foi o terreno terraplenado onde em breve terá início a obra de construção da fábrica da Fiat. Depois o deslocamento se deu para a área onde será construído o Northville, que está na fase de terraplenagem, e, em seguida, aos canteiros de obras da Hemobrás e da CBVP.

Após as visitas aos empreendimentos os lusitanos estiveram na AD Goiana onde assistiram a um vídeo institucional. O presidente da AD Goiana e o prefeito deram as boas vindas aos empreendedores, discorreram sobre o crescimento econômico porque passa Goiana e falaram da importância em estabelecer intercâmbio com a Comunidade Intermunicipal formada pelas cidades-irmãs de Proença-a-Nova, Oleiros, Sertã e Vila de Rei.

Para o presidente da Câmara de Proença-a-Nova, João Paulo Catarino, organizador da viagem em nome da CIMPIS, trata-se de uma tentativa de facilitar a internacionalização das empresas daquela região. “O objetivo é de expotarem o know-how adquirido ao longo das últimas décadas, podendo continuar a sua atividade na área em que se especializaram, e por esta via contribuir também para o desenvolvimento do estado de Pernambuco”, explica o mandatário.

Pinhal é uma região que viveu muitos anos ligada ao setor da transformação da madeira e da construção, havendo agora alguma inovação nas áreas de atividades. Em Proença-a-Nova, por exemplo, está instalada uma empresa de software com cerca de 40 licenciados, que faz programação para empresas em todo o mundo, incluindo o Exército dos Estados Unidos.

No total, foram 15 as empresas representadas na comitiva, das quais oito de Proença-a-Nova, cinco de Sertã, uma de Oleiros e uma de Vila de Rei, nas áreas de construção e atividades associadas (caixilharia, serralharia, etc), mediação imobiliária, equipamento elétrico, investigação e consultoria em corrosão, coalhos e aditivos para o setor alimentar, mobiliário e pirotecnia.



Assimp/AD Goiana com informações do Gabinete de Comunicação de Proença-e-Nova.






Agência Municipal de Desenvolvimento de Goiana - AD Goiana
Rua Luiz Gomes, 102 - 1º andar - Centro - Goiana/PE - CEP: 55900-000
CNPJ: 14.599.272/0001-64 - Fone: 81 3626-2889 - contato@adgoiana.pe.gov.b


terça-feira, 29 de maio de 2012

Tijolo Ecológico Gravtá-Pernambuco










Gravatá-PE      
     Zé Roberto    
   
TIM-PE 81-9520-0420



CLARO-PE 81-8911-8326
   
          TIM-PB-83-9970-0698
        VIVO-PB-83-8123-8077 









robertoumbu@gmail.com

robertoumbu@hotmail.com




Cinco novas empresas aportam no Polo Farmacoquímico de Goiana, PE


Com foco na moderna e rentável indústria de medicamentos e biotecnologia, Pernambuco está inovando, mais uma vez, ao construir o primeiro Polo Farmacoquímico do Brasil. A iniciativa é ousada e pretende levar para uma área de 306 hectares no município de Goiana (margens da BR-101), empresas e pesquisadores acadêmicos, numa aliança estratégica. Quase uma dezena de empresas já foi atraída para o empreendimento e, com a consolidação do projeto, sua base começa, inclusive, a chamar a atenção de ramos próximos, como os da cosmética.
Hoje pela manhã, em cerimônia conduzida no pelo governador Eduardo Campos, o secretário de Desenvolvimento Econômico Geraldo Júlio anunciou a conquista de 15 novas empresas para o Estado, das quais cinco se concentrarão em Goiana, totalizando R$ 430 milhões dos R$ 675,2 milhões previstos para todas indústrias. São elas: Ion Química (insumos para a indústria farmacêutica e de cosméticos), AC Diagnóstico (kits de diagnósticos), Inbesa, detentora da marca de cosméticos Rishon, Cosméticos Indústria e Comércio, conhecida no mercado como Hair Fly, também do ramo de cosméticos, e a Multisaúde, de medicamentos homeopáticos. As duas primeiras tiveram seus pedidos de incentivos fiscais aprovados em abril deste ano e, como o ato de hoje, consolidam sua chegada ao Polo.
Além das novatas, o Polo Farmacoquímico conta com o envolvimento da Hemobrás, estatal do Ministério da Saúde, cujas obras estão em ritmo avançado em Goiana; a Multilab (genéricos e similares), a Vita Derm (cosméticos) e a Riff Laboratório Farmacêutico (soro). Há ainda a Lafepe Química, cujo projeto para produção de antirretrovirais está sendo formatado pelo Laboratório de Pernambuco (Lafepe). Todos esses empreendimentos deverão gerar 2.586 empregos diretos. O investimento total será superior a R$ 1.043 bilhão. (vide tabela abaixo).
Por suas características gerais, o Polo Farmacoquímico está sendo montado como um empreendimento de classe mundial. O estado é o único do Brasil a concentrar, numa só iniciativa, tantos pontos favoráveis à recepção de indústrias do setor. A partir da operação pernambucana, as indústrias aqui instaladas poderão construir bases para operações internacionais, atendendo a mercados vizinhos, como o africano e o americano.
A concepção e implantação do empreendimento fazem parte de uma robusta política pública estadual, que prevê desde a concessão de incentivos fiscais específicos para o setor até a garantia de oferta de infraestrutura. A administração do futuro polo compete à Agência de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco (AD Diper), ligada à Secretaria de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco.
20111003-223815.jpg
Por Ana Rosa
Assessoria de imprensa da Addiper




Fiat: Terraplanagem já começou

As primeiras máquinas para a implantação do que será o polo automotivo de Pernambuco começaram a se movimentar ontem, em Goiana. As obras de terraplanagem serão realizadas na área que receberá a fábrica da Fiat, o equivale a 40% do terreno total, de 1,4 mil hectares. Segundo o encarregado geral da obra, funcionário da Construcap, empresa responsável pela etapa de terraplanagem e drenagem do terreno, Milton Migliorim, dois grupos de máquinas estão executando as etapas iniciais do processo.

“Já estamos limpando o terreno, carregando os resíduos e executando corte e aterro do solo. A atividade já nos permite seguir para a fase de compactação, que deixará o solo resistente para a construção civil”, explicou. A etapa está orçada em quase R$ 82 milhões, com prazo de finalização de seis meses. Mais de 300 homens já estão no canteiro de obras.

Os dois grupos de máquinas em atividade contemplam escavadeiras, tratores de esteira, além de caminhões para o transporte de maquinário e abastecimento de água para molhar o solo. O encarregado de transportes da Construcap, Clóvis Schramm, brincou que “a leve chuva de ontem ainda colaborou com a atividade”. Serão 120 escavadeiras na obra e cerca de 150 caçambas. “Todo o suporte para as máquinas e caminhões, como um posto de abastecimento de diesel, já está implantado no canteiro”, pontuou.

Até o fim deste mês, cerca de 500 homens estarão em atividade em Goiana. Hoje, são 170 trabalhadores da Construcap, além de três subempreiteiras, com 50 homens cada. O encarregado da subempreiteira Mega, Manoel Pereira, destacou que a atividade deve contemplar três turnos para que o prazo seja cumprido. “Serão 350 homens durante o dia e 150 trabalhadores à noite. Por enquanto, as atividades param às 18h”, explicou.

Pelo calendário da Fiat, as obras de construção da fábrica iniciam entre o fim de março e começo de abril. Neste período, as obras começarão no primeiro pedaço de terraplanagem executado, de 160 hectares, conforme confirmado pela montadora.

O secretário executivo de Projetos Especiais da Secretaria de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco, João Guilherme Ferraz, destacou mais uma etapa de responsabilidade do Governo. “Já temos ordem de serviço e licenças ambientais. O levantamento arqueológico foi finalizado satisfatoriamente. A planta já poderá ser trabalhada e a outra etapa da terraplanagem seguirá avançando, juntamente aos serviços de drenagem”, disse, citando que o pico da obra demandará cerca 800 trabalhadores.

“Das pessoas utilizadas na terraplanagem, 50% virão de Goiana. A outra metade virá de outras atividades da Construcap. E vale lembrar que se o profissional se destaca, a empresa pode contratar para outros serviços posteriores”, destacou o encarregado Clóvis Schramm. A Fiat reúne investimentos de R$ 3,5 bilhões em Pernambuco. A fábrica produzirá de 200 mil a 250 mil carros por mês.

Fonte: Folha de Pernambuco